quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Amais

Só sei que ter um filho rasgou minha alma demais. E dela escorre um sentimento semelhante ao que tenho por ele, agora vertido por todos que são filhos ou pais de alguém.
Não é a mesma coisa que dizer “tenho um sentimento por todos”, porém.
Eu sinto a dor do filho que espera e, ao mesmo tempo, a dor de quem se atrasa em acalentá-lo. Sinto, como um arranhar de unhas duras, o parto de quem nasce e cresce e o de quem, todos os dias, tenta parir um pouco mais do melhor de si.
Eu não sou, por isso, uma pessoa melhor. Eu sou, sim, agora, uma pessoa que dói mais.

2 comentários:

sobrefatalismos disse...

É de uma dificuldade enorme dedicar-se ao outro, mas considero herói aquele que consegue fazê-lo. Dói. Mas deve valer à pena. Abraços.

rOsI disse...

Concordo. Abraço!