quarta-feira, 15 de junho de 2011

Dia da marmota


Às vezes, eu penso que queria mesmo um pulo no tempo, como nas novelas, em que se cai lá na frente, com tudo resolvido, as ânsias passadas, os obstáculos transpostos.
Mas aí eu penso que um pulo no tempo, que teoricamente me pouparia de tantas angústias e esperas, me roubaria também dias com possíveis bons e inesquecíveis (e, porque não, importantes) momentos.

Mas hoje, eu queria muito um pulo no tempo.

Nenhum comentário: