quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Gestalt


A vida age em círculos. Mas um dia, aparece uma tangente.
Então eu sonhei que estava numa ilha, junto com alguns amigos, parentes. E nessa ilha havia um Ditador, que por debaixo dos panos armava o fim de todos. E eu sabia. E sabia que sozinha não conseguiria salvar a todos. Cuidei de salvar primeiro os pequenos, escondê-los ou dá-los ao cuidado de quem confiava. E entendi que só escapando eu teria ajuda de fora. Pra isso, precisava estudar a área. Para não levantar suspeitas segui quem trazia a comida. A área era vigiada e qualquer barulho, mesmo à noite, poderia acionar os guardas. Então esperei um dia de chuva e sai. Como Papillon, andei à noite toda a procura da saída na selva. E encontrei. Duas tábua longas e claras saíam da ilha até o resto do mundo. Eu passei e na terra olhei pra ilha e dei o maior respiro do mais profundo alívio. E pensei: Deus guarde a todos, o exército já vem. Mesmo sabendo que lá ficaram meus parentes, crianças, amigos, mesmo assim eu pensei que é preciso coragem pra começar e duas pernas só conseguem arrastar um corpo.

Aí lembrei do In treatment:
"As únicas ações que podemos controlar são as nossas. E o único poder que temos é:
como tratamos as outras pessoas e como tratamos a nós mesmos."
(...)
"Se estiver na barra e suas pernas começarem a tremer... Tente dizer isso para si mesma:
Eu estou fazendo isso acontecer. Vem de dentro de mim, e como estou fazendo acontecer, posso pará-lo."

Nenhum comentário: