terça-feira, 23 de junho de 2009

Anedota

Em tempos de real desvalorização dos bons costumes é comum as reclamações de que as pessoas não mais se importam umas com as outras. Acontece que no meio dessa afirmação há uma pequena vaga: geralmente as pessoas que reclamam disso pensam sempre em si e muito pouco nas outras. É óbvio que alegria, bom humor e otimismo são inerentemente ímas da benevolência geral. Porém, há que se entender que é muito fácil ser tudo isso quando tudo vai bem. Quando os outros estão bem sobram conselhos, mensagens de power-point e alegres despertares. Quando estão mal, nós que nos acerquemos bem de estar em boas cadeiras, descansados, sem sono nem compromissos. Mas quando somos nós a cair sobejam os que nos acusam de amargura e mau humor. Isso quando não, deliberadamente, saem como o Leão da Montanha.
A moral dessa historinha é uma só: o nosso calo é o que dói, minha senhora. Mas olhando de fora, o meu, o seu, até o de Deus são do mesmo tamanho.

Nenhum comentário: