quinta-feira, 14 de maio de 2009

Do óbvio


(Foto)
O nome certo é Gurdjieff, George Ivanovich Gurdjieff.
É mais um dos vigaristas teosóficos que foram largados entre o público no início do século XX para disseminar a new age, à semelhança da Blavatsky ou da Alice Bailey.
Deixou uma fundação para trás, como é habitual, e não duvido que, como é comum com esse tipo de fundações 'filantrópicas', essa também esteja envolvida na publicação de todo o tipo de nonsense, e na prossecução de todo o género de actividades piráticas.
Se esta tese é dele ou não, isso não sei. Mas, e não me entendas mal (já que sei que a tua intenção é excelente), os 20 pontos que são dados, consistem basicamente em dicas de senso comum, misturadas com umas piadas maçónicas de baixo grau sobre pedras, rodas e palcos.
Os pontos podem aproveitar-se, mas a proveniência é de muito duvidosa qualidade.
Rui a 16 de Janeiro de 2009 às 23:16

Mensagem de power point já nasce desmoralizada,né? Né, mas às vezes vale para lembrar do óbvio também e já que concordamos que não valem nada, também não custa nada:
Tese de um pensador russo chamado Guerdjef, que no início do século passado já falava em auto-conhecimento e na importância de se saber viver. Dizia ele:
"Uma boa vida tem como base o sentido do que queremos para nós em cada momento e daquilo que, realmente, vale como principal".
Assim sendo, ele traçou 20 regras de vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e Stress, em Paris. Dizem os "experts" em comportamento que, quem já consegue assimilar 10 delas, com certeza aprendeu a viver com qualidade interior.Ei-las:

1) Faça pausas de dez minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo.
Repita essas pausas na vida diária e pense em si, analisando suas atitudes.
2) Aprenda a dizer não sem se sentir culpado(a) ou achar que magoou alguém. Querer agradar a todos é um desgaste enorme.
3) Planeje o seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso,consciente de que nem tudo depende de si.
4) Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam os seus quadros mentais, cansa-se, sem necessidade.
5) Esqueça, de uma vez por todas, que é imprescindível. No trabalho, na casa,no grupo habitual.Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua actuação, a não ser você mesmo.
6) Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos. Não é você a fonte dos desejos,o eterno mestre de cerimónias.
7) Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas..
8) Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os porque são pura perda de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes.
9) Tente descobrir o prazer de factos quotidianos como dormir, comer e tomar banho, sem também achar que isso é o máximo a desejar-se na vida.
10) Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias, de forma compulsiva.Espere um pouco e depois retome o diálogo, a acção.
11) Família não é você. Está junto de si. Compõe o seu mundo, mas não é a sua própria identidade.
12) Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso,a trave do movimento e da busca.
13) É preciso ter sempre alguém em que se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de cem quilómetros.Não adianta estar mais longe.
14) Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar de ser o centro de todas as atenções. Nunca perca o sentido da importância subtil de uma saída discreta.
15) Não queira saber se falaram mal de si e nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falaram bem, com reserva analítica, sem qualquer convencimento e vaidade vã.
16) Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois, é óptimo ...
… para quem quer ficar esgotado e perder o melhor.
17) A rigidez é boa na pedra, não no homem. A ele cabe firmeza, o que é muito diferente.
18) Uma hora de intenso prazer substitui com folga 3 horas de sono perdido. O prazer recompõe mais que o sono. Logo, não perca uma oportunidade de se divertir
19) Não abandone suas 3 grandes e inabaláveis amigas:
a intuição, a inocência, a fé!
20) E entenda de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente:
“Você é o que se fizer ser!”

Um comentário:

Clarice disse...

simples e óbvio e certo. mas não é fácil. senão a gente não gastava tanto em terapia pra aprender a aplicar isso tudo, ahahahah!