domingo, 16 de março de 2008

Pronto, falei

Eu definitivamente não consigo entender uma pessoa que, num mundo onde o ser humano é desrespeitado a todo momento, é violentado, estuprado, alvejado, num mundo onde várias pessoas passam fome, sede, tem necessidade de carinho, atenção, tem carências mínimas, ou seja, num mundo em que MUITO poderia ser feito para tirar UMA PESSOA de um lugar péssimo e colocá-la num lugar melhor, a pessoa decide ficar defendendo que se devia dar mais atenção AOS ANIMAIS!!!

Só me faz lembrar Maria Antonieta, que, totalmente fora da realidade e ouvindo o povo berrar por pão, pergunta "Mas porque eles pedem pão, quando bolo é muito mais gostoso?". Né? Tipo, se não tivesse mais nada pra fazer no mundo além de jogar gamão, tudo bem, tamos aí à toa, vamo lá defender que matem o boi com algo que não doa. Mas em tempos em que MILHÕES ESTÃO MORRENDO, ficar discutindo se os bichinhos estão sofrendo? Ah, tenha dó. Uma coisa é defender que não se acabe com um ecossistema, que não se entupa o mar de petróleo, tudo defensável. Mas daí a criar todo um movimento? Vai bater um currículo, capinar um lote, vai juntar com um gari e dar uma varridinha pra cair na realidade!

3 comentários:

Kenji disse...

oi

embora eu entenda a natureza da sua revolta (pessoas darem mais valor a animais que a outras pessoas), eu acho que pode existir uma pequena injustiça no seu argumento

o fato de alguém defender os direitos dos animais não significam que automaticamente estas pessoas não defendam outros direitos.

Acho complicado essa coisa de priorizar "qual direito eu vou defender primeiro", pq alguns podem simplesmente optar por defender os animais por pensar que já existem movimentos que defendem os direitos das pessoas.

E na verdade, eu acho que as pessoas se engajam pela defesa dos direitos dos animais justamente pq os animais, das coisas que existem, são as que mais se aproximam do ser humano. São vivos, muitas vezes sentem dor, ficam doentes, e etc.

Nisso, acho que há uma certa nobreza em quem identifica valores básicos e aplica a outros seres que não só os humanos.

São as distinções que levam ao questionamento do que é realmente importante: a vida ou só a do ser humano? o sujeito da sua pátria ou qualquer ser humano? o seu compatriota da sua cor ou qualquer compatriota?

Se a gente prender o ET de Varginha, a gente pode torturá-lo pq ele não é humano?

Mesmo cobaias de laboratório, que realmente sofrem, tem "direitos", ou alguma forma mínima de respeito. Afinal, eles estão dando a vida pelo progresso científico.

Em outras palavras, pq algumas pessoas se incomodam de ver um animal sofrendo? Não é pq ele lembra um ser humano?

Rita Nee disse...

bem, Tio K ja disse algo ai q eu ia falar... entao so deixo um coment aí: em tempos de aquecimento global é desnecessário pensar em regar seu jardim?

enquanto dá disse...

Quanto a questão do animal parecer um ser humano e sucitar a pena leia o texto no:

http://gato-negro.org/blog/veganismo-versus-antropocentrismo/.

Continuo discordando, kenji. Acho inocência entender que a galera imensa que vive de defender bichinho realmente estende a sua benevolência do humano ao animal. Em momento nenhum eu disse que ao priorizar a defesa dos homens ao resto caberia a tortura e o castigo. Eu não prego a matança de nada só não entendo a apologia do alor animal quando o animal homem padece de males maiores até que os ratinho de laboratório, afinal, uma pessoa na fila do SUS é algo que me dá muito mais pena.