sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

Abaixo essa porcaria



Ir ao cinema está cada vez mais difícil. Primeiro porque o preço é exorbitante. Sinceramente o preço deveria caber, com folga, numa nota de dez reais. E não me venham falar do pagamento de coisa nenhuma da produção do cinema. Todo mundo sabe que filme hoje lucra muito e conta com o DVD para saldar quaisquer outras despesas. Ir ao cinema hoje equivale a ir jantar num restaurante. Porque duas entradas mais o "luxo" da pipoca e refrigerante não sai por menos de R$35,00. Segundo, porque ou você vai ver as porcarias do cinema comercial num shopping ou procura as quase sem vida salas de cinema alternativo. Se você opta pelo shopping está sujeito à companhia de espectadores mal educados e ainda às variações de temperatura que vão desde o desértico ao frio polar. Se você opta pelas salas especializadas, tem que correr, porque a cada dia que passa, os filmes ficam menos tempo em cartaz. Isso, tirando o fato de essas salas serem localizadas em pontos díspares completamente.
Mas o pior ainda não é isso. Para fazer valer não sei que tipo de direito os filmes de verdade, aqueles que valem à pena a exorbitância do preço cobrado, quando saem das salas especializadas vão para regiões lembradas somente pela presença das botas de Judas. Por exemplo: estou, quase com certeza, fadada a esperar "O céu de Sueli" sair em DVD. Porque agora ele está no chamado Espaço Pitágoras, nova denominação das salas do Jardim Fashion Mall, lá quase na barragem do Santa Lúcia. E eu ainda deveria estar contente, pois ele não está no Itaú Power Shopping ou no Big Shopping. Está quase dando na mesma ir pra Tiradentes no Festival. Entendo a iniciativa de expandir a rede de salas de cinema para as mais diversas regiões de Minas Gerais. Justíssimo. Agora, o que está sendo feito na verdade é isolar os filmes do público na pretensão de estar "circulando" a fita. Que passe onde quiser, mas que continue passando em algum lugar do Centro, meu Jesus!
Ou senão, incrementem o turismo no Brasil e incentive a Gol a disponibilizar linhas aéreas a baixo custo para que os belorizontinos possam ver bons filmes em São Paulo ou no Rio...

5 comentários:

Kenji disse...

o cinema não tá caro, a gente que tá pábre :-(

eu lembro qdo eu morava no centro, que de vez em quando a gente ia ver filme no cidade. Duas vezes a gente ganhou cortesia só de ter ido reclamar, uma vez por causa de um filme inteiro fora de foco (minority report) e outra pq um bando de moleques entraram no meio da sessão prá fazer zona (tive que ligar de dentro da sala pro 102 e depois prá administração prá mandar entrar um segurança na sala)

as salas que passam o cinema "de arte" em BH estão bem fraquinhas. nem se comparam às mesmas salas do circuito unibanco de SP. A gente viu sob o céu de sueli na unibanco perto da paulista e a sala lá é ótima. Aí vc vai no usina e parece que vc está numa sala de aula, com aquelas cadeiras de madeira.

e os filmes pulam BH mesmo. quantos filmes nem passam por aqui e só passam em SP e RJ e só aparecem depois em DVD?

quem sabe, daqui a um tempo, não voltam os cineclubes? eu lembro de ver filmes projetados na parede do auditório da webmind com apenas um som estéreo e um projetor de datashow que era show de bola

enquanto dá disse...

Ah, eu acho caro sim. Eu meço pelo preço da meia. Se a meia é 8, 8 é o mínimo que eles permitem que custe. Então o dobro é putaria mesmo.
Quiném teatro gente, carésimo!

Kenji disse...

agora, hoje em dia, tá rolando de baixar da web com a legenda em português tb. tô quase fazendo isso com o labirinto de fauno

aí vai acontecer igual aconteceu com a indústria fonográfica. os cinemas começam a quebrar, o povo vai só baixando da web e vão sobrar só as porcarias :-)

enquanto dá disse...

AAAAIIIIIII SE VC BAIXAR ESSE FILME PELAMOOOORRDEDEUS GRAVA PRA MIM? OU ME FALA DE ONDE VC TIROU?

Kenji disse...

ué, do emule :-)

na verdade, o murilo baixou e vai me passar um dvd com mais 3 filmes bacanas :-) daqueles que nunca vêm prá BH :-)

a gente repassa ué