segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Aceita?



Meu professor de psicanálise dizia que as pessoas estavam se esquecendo de viver. Existia só o compromisso e a pressa por causa dele. E a vida ficando mais difícil pelo aumento deles. E aí vinham as babás, as domésticas, os motoboys a executarem o que da vida era o essencial: estar em contato com aquilo que é nosso, por natureza. E falava que devíamos executar o que Boudelaire chama "flaneur":

"O flâneur é a personagem que agita a imagem do homem na multidão que difere totalmente d'O homem da multidão, conto de Edgar Poe, traduzido por Baudelaire. O flâneur não é um autômato, mas, ao contrário, é um ocioso paradoxal que transforma a ociosidade em valor, porque a realiza produtivamente quando transforma as ruas, os pavilhões, os grandes magazines, que atendem à necessidade coletiva da multidão, em instrumentos indiciais que referencializam o labirinto emocional despertado pela cidade moderna."
(fonte.

Porque, como dizia meu saudoso professor, as pessoas tomam café da manhã, mas não sabem mais o gosto da manteiga no pão.

4 comentários:

:: She said :: disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
:: She said :: disse...

eu quero ler mais sobre isso... me passa umas bibliografias ae darling?

eu tava vendo que os fakes na net sao os flaneurs pós modernos.

eu sou flaneur, cara! eu sou!!!

huhahauhauahuahau

Kenji disse...

e os flaneurlinhas que tomam conta dos carros? ;-)

mas sobre o ritmo do dia-a-dia + a ilusão de que o progresso tecnológico melhorou nossas vidas (não melhorou) e nossa produtividade no trabalho (mentira) nos dando mais tempo ocioso (mentira) + a tendência globalizatória que a concorrência com os países de mão-de-obra escravocata (china) transforme para pior a qualidade de vida n mundo inteiro + a distribuição de renda mundial que parece estar piorando (vide último relatório da ONU - os economistas insistem que indicadores como mortalidade infantil e expectativa de vida indicam que os pobres estão menos pobres pq benefício nem sempre é dinheiro) = me levam a crer que o mundo caminha para a destruição se vc não mora na Suíça

porém, existe um movimento mundial de SLOW que propõe a redução da velocidade da vida das pessoas. Slow food, slow isso, slow aquilo. Bobeando até slow blues e slow motion. É uma preocupação pertinente. Devemos todos passar manteiga aviação no pão e comer com calma, saboreando aquela gordura que entope nossas veias ;-)

sobre o slow movement

http://en.wikipedia.org/wiki/Slow_Movement

:: She said :: disse...

recadim pos maleta:

OH Krida: bigadu ta? por tudo, tudo mesmo! Muito bigado de conforça mesmo ta?

Aaaaaoooooownnn!

Adeuf!