terça-feira, 28 de novembro de 2006

Lá vem ela


(fonte da foto)

É quando chove que me recolho, física e emocionalmente.
Sou sol, 100%, pela luz, pelo calor, pela alegria que de mim, parece estar lá fora. Com a chuva não, fica aquela sensação de que finalmente, o passado nos visita, e chega molhado e indefeso, daí o aperto no coração de não deixá-lo entrar. Ou então é o futuro, chegando na curva lá em cima, devagar, no caminho escorregadio... Mas o pior é talvez ver o presente úmido, a dificuldade existente e nela a realidade quieta, presa dentro de casa junto com a gente, tão perto, companhia do nosso silêncio. E lá fora, só a chuva.